A um mês de etapa inédita, pilotos e equipes aprovam circuito de Salvador

Uma comissão especial da Stock Car, formada por pilotos, chefes de equipe e dirigentes, visitaram o local da primeira corrida em circuito de rua da história da categoria. A etapa de Salvador será disputada no dia 9 de agosto e os preparativos no Centro Administrativo da Bahia (CAB) estão a todo vapor.
Os pilotos Nonô Figueiredo, da Pamplona’s; Felipe Maluhy, da Avallone; e Max Wilson, da RC; além de Andreas Mattheis, chefe das equipes A.Mattheis e RBR WA Mattheis, inspecionaram o novo traçado. Além deles, acompanharam a vistoria Nestor Valduga, presidente do Centro Técnico Desportivo Nacional (CTDN); Carlos Col, diretor-presidente da Vicar; e Maurício Slaviero, diretor-geral da Vicar.

– Estou satisfeito com este trabalho integrado em busca das melhores soluções para o circuito. Foi muito produtiva esta vistoria feita em conjunto com representantes dos pilotos, das equipes, da CBA e da federação local – diz Carlos Col.
Organizadores e pilotos estudam traçado
Os pilotos ficaram satisfeitos e destacaram que poucas coisas são necessárias para que o circuito esteja em condições de receber uma etapa da principal categoria do automobilismo nacional. Eles ressaltaram também a rapidez e a qualidade do trabalho de recapeamento do asfalto.
– A comissão de pilotos vistoria os autódromos das etapas da Stock Car. Viemos para Salvador para auxiliar na indicação de algumas eventuais mudanças na pista, colocação de barreira de pneus, criação de chicanes. Enfim, passar a visão de um piloto neste momento de definição dos detalhes do traçado – diz Maluhy.

Max Wilson, que já disputou várias provas em circuitos de rua na V8 Supercars australiana, foi convidado justamente em razão desta experiência e gostou muito da pista. Para os pilotos, os fãs podem esperar uma corrida muito emocionante e segura nos 2.724 metros da pista.
– A qualidade do asfalto, que é sempre um fator de preocupação em circuito de rua, é muito boa. O traçado tem, na medida do possível, boas áreas de escape. As pessoas que estão trabalhando na construção estão se mostrando muito abertas e solícitas para fazerem o que a gente pedir. Está caminhando tudo bem – diz Max Wilson.
Fonte: globo.com