Agora é proibida a venda de bebidas alcoólicas nas estradas

Nesta quinta-feira, dia 19 de junho, foi sancionada pelo presidente uma lei, que visa impedir a venda de bebidas alcoólicas nas estradas. O comércio só poderá ser feito em rodovias que cortem cidades. E somente naquele perímetro urbano. E tem mais: se o motorista for flagrado com bebida ou tiver ingerido álcool antes de dirigir, será punido com uma infração gravíssima e terá o direito de dirigir suspenso por 12 meses. A carteira de motorista também é apreendida e o veículo retido até a apresentação de outro condutor.

Segundo o projeto aprovado no Congresso Nacional, o motorista envolvido em acidentes de trânsito ou parado pela fiscalização que se recusar a se submeter a testes para verificar a influência do álcool estará sujeito às mesmas penalidades. Não será usado apenas o bafômetro para verificar se a pessoa usou álcool. Outras provas poderão ser usadas.

Quem for pego dirigindo depois de beber, além da multa por infração gravíssima, vai perder a carteira de motorista. Quem beber e provocar um crime vai responder por crime doloso, quando há intenção de matar. Se antes eram permitidos até 6 decigramas de álcool por litro de sangue, agora não é permitido nem sequer 1 decigrama. Não se poderá beber absolutamente nada antes de dirigir. A multa para quem for pego com álcool no sangue será de 955 reais.

A medida é muito boa, pois somente nos primeiros cinco meses de 2008, foram flagradas mais de 4.000 pessoas bêbadas pela polícia. Imagina só se levarmos em conta as pessoas bêbadas que não chegaram a ser flagradas??

O dono de estabelecimento comercial que vender bebidas alcoólicas mesmo assim estará sujeito a uma multa de 1.500 reais. E os locais deverão fixar um aviso falando dessa proibição em local de ampla visibilidade, sob pena de multa de 300 reais.

Além da Polícia Rodoviária Federal, alguns convênios serão feitos para aumentar o controle sobre a venda das bebidas, debaixo da supervisão do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes e da Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Fonte:Noticias Automotivas