Atenção com os pneus do carro.

Atenção com os pneus do carro.

A estimativa da Polícia Rodoviária Federal é de que carros mal conservados, com pneus carecas, são responsáveis por cerca de 20% dos acidentes nas estradas. Por isso, os motoristas devem estar atentos: a troca tem que ser feita antes de o pneu ficar completamente liso.
É muito arriscado e o condutor sabe disso, mas muitas vezes não olha, não presta atenção e acha que tem condições de rodar mais um pouco e gastar o dinheirinho mais na frente, mas não vê que ele está colocando a vida dele em risco, que vale muito mais.

Vamos ver alguns detalhes importantes a serem observados…

Indicador de desgaste

Não espere que fiquem carecas para trocá-los. Há uma sigla na parte do pneu que fica para o lado da calota, TWI (do inglês Tread Wear Indicator).
Essa sigla aponta para a posição do indicador de desgaste, que fica dentro do sulco central do pneu (naquela parte que encosta no chão. Lá você vai ver um pequeno relevo de borracha). À medida que o pneu gasta, esses pequenos relevos vão chegando mais perto da superfície. Quando o relevo do pneu (o desenho) desgasta a ponto de ficar nivelado com o indicador, é hora de fazer a troca. Fique atento, pois quem circula com pneu careca, além de correr riscos, pode levar multa. O vestígio de desgaste de 1.6 milímetros indica a altura de borracha mínima legal. O pneu pode ter desgaste irregular ou mais acentuado em um pneu do que em outro. Isso pode ocorrer por vários motivos, como por exemplo: veículo fora da geometria, medida errada para o automóvel que o pneu está sendo usado, falta de calibragem correta, excesso de peso, etc.
A vida útil do pneu é proporcional à competência do motorista. Quem freia bruscamente, canta pneu ou faz curvas malucas gasta mais borracha. E todo pneu deve ter a marca do Inmetro na lateral.

Calibragem

Não se esqueça também de olhar a calibragem (quantidade de ar que vai dentro do pneu) do seu carro regularmente, usando sempre a calibragem indicada no manual. O eixo dianteiro e o eixo traseiro podem ter medidas diferentes de calibragem tanto para o carro sem carga como para o carro carregado. Pneus murchos desgastam mais, entortam as rodas, deixam a direção pesada e provocam maior consumo de combustível (isto porque, com o carro mais ‘grudado’ ao chão, é preciso acelerar mais para sair do lugar). Pneus mais cheios do que o recomendado pelo manual prejudicam o funcionamento do freio, porque o carro adere menos ao chão, além de deixar o carro com movimentos duros. Não esqueça também de olhar a calibragem do pneu estepe regularmente, pois podemos precisar dele quando menos esperamos e se ele estiver murcho não vai adiantar muito… Eu recomendo calibrar o estepe sempre com umas 2 (duas) libras a mais do que é usado nos pneus que estão rodando.

Rodagem dos pneus

Todos os pneus novos necessitam de um período de rodagem. A rodagem consiste em circular a velocidade moderada durante os primeiros 200 a 300 quilômetros, para melhorar o rendimento dos pneus a longo prazo. É aconselhável não acelerar fortemente nem travar bruscamente durante os primeiros quilômetros, até adaptar a condução aos pneus novos. Se o seu antigo jogo de pneus estava muito desgastado, tenha em conta que o comportamento do seu veículo será bastante diferente com o novo jogo, mesmo em se tratar da mesma marca e referência.

Perigo do desgaste dos pneus

O desgaste dos pneus ocasiona a perda de aderência. Quanto mais desgastados estejam os seus pneus (ranhuras cada vez menos profundas), mais longas serão as distâncias de travagem, especialmente em estrada molhada, e maior o risco de aquaplanagem (perda da aderência dos pneus com o asfasto decorrente de uma lâmina de água entre o pneu e o asfalto).

Igualar o desgaste dos pneus

A posição das rodas (geometria, paralelismo) e o seu estilo ao conduzir e a má condição das estradas podem provocar um desgaste desigual em cada pneu. Para uniformizar o desgaste dos seus pneus, é recomendável inverter as rodas traseiras para as dianteiras e vice versa a cada 5.000 a 10.000 kms aproximadamente. Aproveite para verificar a geometria e o balanceamento das rodas nessa ocasião em um estabelecimento especializado de confiança. Por último, o Código da Circulação estipula que não possa haver uma diferença de profundidade das ranhuras principais superior a 5 mm entre dois pneus montados sobre um mesmo eixo. Fique de olho.

Fonte: www.meuamigocarro.blogspot.com