Carros seminovos e usados a preços e parcelas menores

Consumidor pode optar por um prazo menor de financiamento e a valores mensais que não comprometem o orçamento familiar. Além disso, eles sofrem menos desvalorização no mercado.

As taxas de juros aos poucos estão baixando e o financiamento de veículos volta a se tornar atrativo para o consumidor. A redução do IPI fez com que muitos optassem pelo carro novo, mas há consumidores que não abrem mão de um seminovo completo, que custa menos e sofre menos desvalorização perante o novo. Além disso, os seminovos e usados podem ser adquiridos a prazos e parcelas menores.

O setor de novos agora conta com financiamento em 72 vezes ou até em 80 meses. Por se tratar de um longo financiamento, o consumidor pode se sentir preso. Segundo a Assovepar (Associação dos Revendedores de Veículos Automotores no Estado do Paraná), no caso do seminovos, devido aos veículos apresentarem preços mais baixos, o financiamento pode ser realizado em menos tempo e favorecer para futuras trocas, além do veículo sofrer menor depreciação.

Segundo o vice-presidente da Assovepar e proprietário da loja De Castro Auto Show, Daniel de Castro, a preferência dos consumidores de seminovos e usados se mantém em financiamentos em prazos menores. “Em média, os consumidores procuram financiar em 48 meses”.

De acordo com o economista filiado ao Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon-Pr) Daniel Poit, a decisão da compra de um veículo tem que ser consciente, de maneira que não vá comprometer o orçamento da família. “Quando o consumidor decide comprar um carro, ele tem que estar ciente que se trata de uma decisão de consumo e não de investimento. A compra de um veículo tem que trazer conforto e comodidade e não frustração”.

O economista explica a diferença da compra de um carro zero quilômetro e de um seminovo. “A compra de um carro zero quilômetro em longo prazo, causa no ato da compra uma sensação de impulso, bem-estar e realização. Com o tempo esse sentimento pode ser transformado em frustração, pois a cada ano as montadoras lançam modelos de carros com inovações e que ofereçam mais conforto e o consumidor acaba se sentindo alienado ao financiamento, não podendo realizar a troca”, diz. “No caso do seminovo, o consumidor já fez uma escolha e então já decidiu optar por um carro usado, no entanto, a compra realizada normalmente é efetuada de forma mais consciente. Por se tratar de um veículo com preço menor, o parcelamento é feito em menos anos e o consumidor pode quitar o veículo mais rápido, tendo a opção de trocar o carro mais vezes”, afirma Poit.

Daniel Poit ainda comenta sobre os cuidados que o consumidor deve ter na compra de um seminovo. “Ao optar pela compra de um carro usado é muito importante verificar a idoneidade da revenda. O interessante é comprar o carro sempre em uma loja onde o cliente já tenha conhecimento e que futuramente pode efetuar a troca”.

O vice-presidente da Assovepar também alerta para os cuidados que o consumidor deve ter na hora de adquirir um seminovo. “No ato da compra é imprescindível que ele esteja atento a procedência do veículo, exija o documento fiscal, verifique se o carro nunca teve sinistro em uma seguradora sobre perda total, constate que não há multas pendentes e bloqueios administrativos sobre acidentes no Detran-PR. De Castro ressalta ainda a importância de comprar em uma revenda associada a Assovepar. “Antes do associado se associar a Assovepar, é realizada uma avaliação de conduta da loja, sendo aprovado, ele é submetido ao Código de Ética da Associação, que permite controlar a qualidade, idoneidade e credibilidade perante o mercado”, completa.

Fonte: Assovepar