Chefe da F1 provoca polêmica: “podemos viver sem Mônaco”

O chefe da F1, Bernie Ecclestone, afirmou que a categoria sobreviveria sem o GP de Mônaco, informa nesta segunda-feira o site F1SA. Segundo o veículo, o dirigente disse que a F1 não recebe o suficiente pela prova no Principado, mas é pouco provável que ela deixe o calendário.

De acordo com as informações divulgadas, Ecclestone negocia com os comandantes das escuderias a inclusão de mais uma prova na categoria, atualmente com 19. Entre elas, informa o F1SA, oito acontecem na Europa – porém são as que têm menor taxa de remuneração promocional para a F1.

Ecclestone ainda afirmou, segundo o site, que os europeus terão que pagar mais à categoria, se não a F1 encontrará outros caminhos. O site informa que o dirigente tem ambição de ingressar no mercado russo.

O F1SA também divulga que, conforme publicou o jornal Independent, a taxa de remuneração média por prova é de 31,2 milhões de dólares (cerca de R$ 55,6 milhões) atualmente – sendo que Mônaco não pagaria nada à categoria.

Fonte: Terra Esportes