Como evitar o desgaste excessivo do motor

Na primeira partida do seu veículo, o motor pode sofrer desgaste de até 50%. Isso ocorre pelo fato do óleo lubrificante estar concentrado no cárter. Portanto, quando o motor é acionado, o óleo é sugado pelo pescador de óleo e encaminhado aos dutos de lubrificação. Até o óleo chegar, as peças funcionam em atrito.

Os óleos modernos foram desenvolvidos para ter mais aderência e mais tempo em pequenas quantidades nas partes do motor, tanto nas rotativas (comando de válvulas, virabrequim) como nas alternativas (pistões).

Um dos maiores problemas do desgaste prematuro do motor é a contaminação do óleo gerada pela mistura ar/combustível muito rica (quando o veículo está frio ou quando está desregulado) e também pelo combustível adulterado (o que mais encontramos hoje). Existem algumas soluções para evitar o desgaste prematuro do motor. Foram desenvolvidos sistemas que mantém a pressurização independentemente. Outra solução é o aditivo de óleo. O único homologado pelo INMETRO é o aditivo da Bardahl B12.

O Bardahl B12 foi usado na segunda guerra mundial para os jipes, pois o motor precisaria percorrer alguns quilômetros caso tivesse o cárter furado. Ele mantém as peças lubrificadas na primeira partida formando uma película protetora.

Mas o fato é que nenhum aditivo de óleo é homologado pela Concessionária, além de o aditivo ajudar a criar a borra no motor. Faltam testes específicos para saber se o aditivo realmente funciona. No salão do automóvel em São Paulo eu vi o teste do óleo, mas o teste que fazem não dá para considerar como verídico para o uso do motor. Talvez a Proteste pudesse fazer uma avaliação sobre os diversos tipos de óleo existente no mercado. No mais aconselho a que você coloque o óleo mais moderno, e que seja homologado pelo fabricante do seu veículo. E sempre coloque combustível de qualidade. Você tem o direito de mandar testar o combustível.
Fonte:NA