Ford EcoSport 2.0 Flex

Utilitário esportivo tem retomadas mais rápidas e mais força.
Design continua o mesmo e ganha nova cor como opção.
O novo motor 2.0 bicombustível da Ford estréia na família EcoSport. A inovação chega em momento estratégico para a empresa, que aguarda a reação do mercado perante a crise de crédito brasileira. Com a opção de abastecer o veículo com álcool ou gasolina e reposicionamento de preço das versões 2.0, a Ford tenta conquistar novos consumidores e atrair os proprietários de EcoSport para as concessionárias em busca da troca por uma versão mais equipada e moderna.
As mudanças além de garantir maior torque e potência ao utilitário esportivo, permitem ainda menor nível de ruído e emissões, já de acordo com a lei Procove L-5, que entra em vigor em janeiro de 2009.
O G1 foi conferir o novo motor da Ford na versão mecânica do EcoSport, a convite da montadora, pelas estradas de asfalto e terra do município de Camaçari, na Bahia. Na comparação com o motor anterior, a diferença na dirigibilidade é nítida.
Mais ágil na aceleração, o EcoSport melhorou o desempenho nas ultrapassagens. Segundo a Ford, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 9,9 segundos (com álcool) – equipado com o propulsor antigo a gasolina levava 11 segundos.
Cerca de 80% da força (15,5 mkgf) é atingida em 1.500 rpm, isso garantiu ao veículo retomadas mais rápidas e mais fôlego nas subidas. Ou seja, o desempenho tanto em estradas de asfalto quanto de terra melhorou bastante em relação ao motor anterior.
Outro ponto de preocupação dos engenheiros da Ford foi o ruído. O motor não está entre os mais silenciosos, mas o nível de barulho melhorou muito em relação ao propulsor antigo.
Potência e consumo
Abastecido com gasolina, a potência máxima é de 141 cv a 6.000 rpm e o torque de 187 Nm a 4.250 rpm. Com álcool, a potência chega a 145 cv a 6.000 rpm e o torque a 191 Nm a 4.250 rpm.
Leia também:
Ford lança EcoSport com motor 2.0 flex
O consumo da versão manual é de 10,7 km/l (gasolina) e 7 km/l (álcool) na cidade. Já na estrada, o gasto com combustível é de 14 km/l (gasolina) e 9,2 km/l (álcool). A versão automática na cidade tem consumo de 9,5 km/l (g) e 6,5 km/l (a) e, na estrada, de 13 km/l (g) e 8,8 km/l (a).
Design
De mudanças no modelo, apenas o motor. O EcoSport continua com o mesmo design tanto na parte interna quanto na externa. As únicas opções que a Ford trouxe na parte estética foram a nova tonalidade de verde, parecida com a cor aplicada em veículos militares, as rodas de liga leve pintada na cor cinza e o rack de teto com barras transversais.
Embora a estratégia da Ford seja conseguir competitividade no preço – ou seja, mudanças que encareceriam o desenvolvimento do produto não foram cogitadas -, talvez seja a falta de itens novos de conforto e estéticos o ponto fraco deste lançamento. Como foi observada nos Salões de Paris e de São Paulo, a tendência do design é aumentar o poder do consumidor na personalização do carro. Exemplos disso são os diversos adesivos temáticos que passaram a “tatuar” os últimos lançamentos na Europa.
Lançamentos futuros
O novo motor 2.0 Duratec Flex irá equipar outros modelos da marca, como o Ford Focus. A nova tecnologia “inaugura” a nova fase da montadora em investimentos na área de propulsores. De acordo com o presidente da Ford do Brasil e Mercosul, Marcos de Oliveira, R$ 600 milhões serão injetados no desenvolvimento de uma nova geração de motores a ser lançado em 2010. “Estamos muito otimistas para o futuro”, afirma Oliveira.