Governo Federal libera R$ 2,5 bi para o setor de seminovos

O Codefat irá liberar parcelas de 200 milhões por vez, de acordo com a demanda. A medida vai beneficiar as revendas paranaenses e garantir os postos de emprego.

Depois da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que beneficiou os vendedores de carros zero quilometro – e desvalorizou o seminovo em até 30% – o Governo Federal atendeu ao apelo do setor de usados e anunciou a liberação de uma linha de crédito de capital de giro de R$ 2,5 bilhões para estimular a comercialização de veículos seminovos de todo o país.
O Conselho Deliberativo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), em reunião com o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, no dia 11 de fevereiro, aprovou a criação da linha de crédito pelo Banco do Brasil. Hoje pela manhã (03), o compromisso foi oficializado, em Brasília. Estiveram presentes na solenidade representas do setor de revendas de vários estados brasileiros e da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto).
O recurso será liberado pelo Conselho de acordo com a demanda, em parcelas de R$ 200 milhões por vez, para financiar capital de giro para as empresas de comércio a varejo de carros usados.
Em contrapartida o segmento de usados assumiu o compromisso, diante do ministro Carlos Lupi, de manter 600 mil postos de trabalho – os recursos empregados serão do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Terão direito ao empréstimo, pequenos empresários associados à Fenauto e lojistas associados e sindicalistas de veículos usados de todo Brasil.
De acordo com o presidente da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores no Estado do Paraná (Assovepar), Lidacir Antonio Rigon, a medida vai dar novo fôlego ao setor. Terão acesso ao recurso as micro, pequenas e médias empresas do setor de carros usados, com teto financiável de R$ 200 mil por empresa, prazo de financiamento de 24 meses e taxa de juros anual de 11,02% mais Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), com carência de seis meses para pagamento. “Os revendedores associados à Assovepar se comprometem a manter os postos de trabalho e a medida que a economia for se recuperando, gerar novos empregos para a população”, ressalta Rigon.

Medida deve dar novo fôlego para ao mercado paranaense
Além de ajudar o setor e manter empregos, a medida deve reaquecer o mercado de seminovos. A expectativa da Associação dos Revendedores de Automóveis no Estado do Paraná, é que as vendas cresçam 30% no segundo semestre, deste ano.

A medida deve reaquecer o setor de seminovos, que teve queda de até 50%, em todo o Brasil – decorrente da crise econômica internacional, que pegou o mercado de surpresa, na segunda quinzena de setembro. Segundo Lidacir Antonio Rigon, presidente da Assovepar, a expectativa é que o segmento de seminovos cresça 30% no segundo semestre de 2009, em todo o país.
Para o mercado de seminovos paranaense o aquecimento pode ser ainda maior. Isso porque, segundo o presidente da Assovepar, o estado foi um dos menos afetados pela crise e o investimento deve estimular, ainda mais o consumidor. “Já estamos vendendo seminovos 30% mais barato e provendo promoções para chamar atenção do consumidor. Com a liberação desse dinheiro, poderemos equalizar ainda mais os preços e acelerar o ritmo de vendas”.
De acordo com o Rigon, a liberação da linha de crédito especial foi uma vitória para o setor, mas os revendedores também estão lutando para que o consumidor final tenha redução nas taxas de juros de empréstimos com taxas de no máximo de 1,55%, ao mês”, diz. Para Rigon, se isso ocorrer o brasileiro retomará a confiança e irá, aproveitar os preços e ir às compras.
Outra medida concretizada pelo governo, que deve ajudar nas vendas, é a redução de um ponto percentual na taxa básica de juros da economia brasileira, (de 13,75% para 12,75%) anunciada dia 21 de janeiro pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Para Lidacir Antonio Rigon, mesmo que a redução da taxa de juros tenha sido pequena, ela deverá ajudar no processo de reaquecimento imediato do setor. “Nossa expectativa é que o Cobom reduza mais 1% na taxa básica de juros”. Para ele, cada uma dessas medidas reflete diretamente na confiança do consumidor de seminovos.
“O setor de seminovos está reagindo à nova realidade do mercado e trabalhando continuamente para que as vendas não voltem a cair. Isso porque, além de empregar milhares de trabalhadores, o segmento possibilita o escoamento dos carros zero quilometro e é um setor importante para a economia brasileira”, acrescenta Rigon. Atualmente, o Paraná concentra cerca de 5 mil revendas e emprega mais de 25 mil trabalhadores.

Fonte: EVIDÊNCIA COMUNICAÇÃO INTEGRADA / ASSOVEPAR