Momento é para comprar carro novo à vista, dizem consultores

Financiamentos se tornam ‘perigosos’ com a instabilidade de emprego.
Descontos nos preços dos veículos não compensam taxas de juros.
Sem previsão para o reajuste de preço dos veículos, o consumidor ganha tempo para estudar o melhor momento de comprar o carro novo. A dica dos analistas de mercado é fechar o negócio à vista e aproveitar o desconto de IPI, válido até 31 de março. “O único problema é ter dinheiro em mãos, pois se for colocar o carro usado na compra o consumidor não vai ganhar tanto”, afirma o diretor da Trevisan Consultoria e especialista no setor automobilístico, Olivier Girard.
De acordo com a sócia-diretora da MB Associados, Tereza Fernandez, quem puder comprar o carro novo agora terá, além da redução de IPI, vantagens oferecidas pelos próprios concessionários, como o pagamento do IPVA e do emplacamento, banco de couro, entre outros itens. “Os vendedores querem desovar o que está nas concessionárias, com itens adicionais a mais”, observa Tereza.
Entretanto, na ponta do lápis, os benefícios compensam para aqueles que não são vítimas dos juros, ou seja, quem paga à vista. “A taxa de juros é alta. Acho que vale a pena comprar à vista. Dependendo da taxa, chega a se pagar mais juros do que o valor de desconto”, ressalta a consultora.
De acordo com a Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), a taxa média de juros praticada pelos bancos das montadoras é de cerca de 24% ao ano. Por esse motivo, Tereza Fernandez recomenda ao consumidor a não se arriscar em financiamentos para aproveitar os preços praticados atualmente.
O diretor da Trevisan também alerta as pessoas que querem entrar em financiamentos. “Agora o mercado está bom para comprar tanto novo quanto usado, porque o mercado está em baixa. Se tiver dinheiro, ótimo. Mas se for entrar em financiamento tem de tomar cuidado, olhar com calma para ver se a taxa de juros compensa”, diz Girard.
Outro ponto a ser levado em consideração é a instabilidade da crise econômica, que coloca em dúvida a estabilidade do emprego. “As pessoas já estão segurando o dinheiro. Não é hora de se endividar, é hora de aguardar”, aconselha Tereza Fernandez, baseada nas previsões da MB Associados, que aponta para a recuperação da economia mundial a partir do segundo semestre deste ano.
Carro usado
Para aqueles que querem utilizar o carro usado na compra do novo, mas tem dúvidas devido à desvalorização do mercado de usados, Olivier Girard aconselha a calcular se o desconto sobre o valor do carro novo é maior do que o dinheiro perdido na venda do usado. Isso porque, os preços dos usados estão de 30% a 40% abaixo do valor de tabela.
Segurar preços
Mercado em retração e preços de commodities em baixa, como aço e petróleo, são os principais motivos para as montadoras não reajustarem os preços dos veículos fabricados no primeiro trimestre de 2009. “Eu acho que um reajuste nesta altura do campeonato é querer acabar com o mercado, quando você olha, a maior parte está em recessão”, observa Olivier Girard.
No entanto, como até o momento não há nenhuma sinalização por parte do governo em aumentar o prazo do desconto de IPI – previsto para acabar em 31 de março -, há chance de os valores dos produtos serem reajustados a partir de abril. Segundo fontes do setor ligadas a concessionárias, a Citroën já sinaliza para um aumento de 3% a 4% nos valores de seus produtos.