Na Ferrari, Massa espera retribuição por 2007

Felipe Massa acha que ainda é cedo. Mas não tem dúvidas de que, caso precise da ajuda de Kimi Raikkonen na luta pelo título da F-1, terá.

“Nós não temos um afeto pessoal, temos um afeto profissional. Sempre fui 100% honesto com ele e acredito que ele também é comigo”, falou o brasileiro, que após ter vencido a última etapa, em Valencia, foi um dos pilotos mais requisitados nesta quinta no autódromo belga.

“No ano passado, a equipe precisou de mim, e fiz o que fiz [deu a vitória a Raikkonen no GP Brasil] com a maior boa vontade. E foi graças a mim que a equipe conquistou os dois Mundiais [de Pilotos e de Construtores].”

“Não estou muito atrás do [Lewis] Hamilton nem muito à frente do Kimi, por isso é difícil saber se a equipe vai tomar uma decisão, e quando isso vai ocorrer. Então não vou mudar minha mentalidade, que é de vencer.”

Segundo Massa, a vitória no GP da Europa, há duas semanas, o motivou mais para as seis últimas corridas. No ano passado, a esta altura do Mundial, ele era o quarto, um ponto atrás do finlandês. Foi a partir daí que seu desempenho caiu e Massa ficou alijado da disputa em 2007.

“Acho que algumas vitórias que tive neste ano serviram para mostrar que posso ser competitivo em qualquer tipo de circuito”, falou o vice-líder da F-1. “Estou motivado e empolgado como nunca.”

A possibilidade de chuva não preocupa o brasileiro. Segundo ele, só uma coisa o deixa ressabiado: as quebras de motor da Ferrari em dois GPs seguidos, com ele na Hungria e com Raikkonen na Espanha.

“Sabemos que foi um lote de bielas malfeitas, e vou correr com o mesmo motor que usei na última corrida. É claro que a gente fica com a pulga atrás da orelha.”

Fonte: Uol