O destino de Alonso

O destino de Alonso
O futuro de Fernando Alonso vem sendo constantemente questionado desde o Grande Prêmio da Hungria. Muita gente garante que o espanhol não estará na McLaren em 2008. Já se noticiou, até, que a equipe até já o teria liberado de seu contrato e que seu destino seria a Renault ou a BMW. Pois vamos, então, analisar esse cenário um pouco mais cuidadosamente.

Bom, Alonso tem um contrato com a McLaren até o final de 2009. Poucas pessoas sabem exatamente o que reza o acordo firmado ainda em 2005, mas é certo que, hoje em dia, tais contratos são muito bem amarrados e dificilmente abrem brechas fáceis para que sejam quebrados.

Dizem as especulações que existiria uma cláusula liberando o espanhol caso haja algum acontecimento que prejudique a sua imagem pública. Entretanto, tal argumento só poderá ser utilizado por Alonso caso a McLaren seja excluída do campeonato. Caso contrário, somente um acordo entre as duas partes permitiria uma rompimento prematuro.

Duvido muito que Ron Dennis tenha liberado o espanhol, como chegaram a noticiar alguns diários espanhóis. O dirigente pode realmente estar farto das exigências, reclamações e confusões que o piloto lhe arrumou, mas ele sabe que tem em sua equipe o piloto mais cobiçado do paddock.

Liberá-lo, dessa forma, significaria entregar a sua mais qualificada mão de obra para uma equipe adversária. Ninguém no paddock duvida que Alonso seja capaz de levar a BMW às vitórias ou fazer com que a Renault volte a disputar o título. Há ainda, questões comerciais, já que o contrato com o Santander está vinculado à permanência do espanhol na escuderia.

Ainda que se pense apenas pelo lado da mão de obra, já que Hamilton já se mostrou um campeão em potencial, o espanhol faria falta à McLaren. O inglês ainda tem muito que aprender em termos de acerto do carro e em termos de desenvolvimento de um bólido ao longo de uma temporada.

Dito isso, no fim das contas, acredito que Alonso vai acabar ficando onde está. E se alguém quiser tirá-lo de lá, vai ter que oferecer muito dinheiro e também um piloto capaz de acertar e desenvolver um carro para Hamilton vencer.

fonte: Quatro Rodas