Produção de veículos cresce 9,2% em fevereiro

Número se refere à comparação com o mês de janeiro.
Produção no bimestre caiu 24,1% em relação ao mesmo período de 2008.
Ainda sob o efeito da redução do IPI sobre o preço dos veículos, a produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus subiu 9,2% em fevereiro em relação a janeiro deste ano. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (9) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).
No total foram produzidas 201,7 mil unidades contra 184,8 mil no mês anterior. No acumulado do ano (janeiro e fevereiro), a indústria registra queda de 24,1% em relação ao primeiro bimestre de 2008. Isso acontece por causa dos dois cenários distintos da economia. Em 2009 já foram produzidos 386,5 mil veículos, enquanto que no primeiro bimestre do ano passado foram produzidos 509,2 mil.
Muitas montadoras usaram o estoque que tinha no início do ano e prolongaram as férias coletivas, o que ajudou a diminuir a produção em relação ao primeiro bimestre do ano passado. Mas há ainda o efeito maior da queda das exportações”, observa o presidente da Anfavea, Jackson Schneider.
Redução do IPI
Jackson Schneider destaca que a redução de IPI foi um fator fundamental para estancar a queda de vendas no mercado interno e, assim, aquecer as linhas de produção. Entretanto, o representante da indústria automobilística não confirma que o governo irá adiar a redução do IPi, que tem validade até o próximo dia 31.
“Essa medida vigora até 31 de março e consideramos isso. Não quero passar um ponto de especulação que não ajudará o setor automotivo. Trabalhamos com a informação do governo de que a medida não será prorrogada.”
Segundo Schneider, desde que a medida foi implementada, as vendas tiveram um ganho de 15 a 20%, ou seja, 70 mil carros.
Em curto prazo, o que o executivo espera é que a taxa básica de juros sofra redução de um ponto percentual. “Isso terá um impacto concreto no mercado de consumo se for repassado com velocidade pelo agente financeiro até a ponta do varejo, e, de forma psicológica, afeta diretamente a decisão de compra, o que também atinge quem projeta negócios”, observa Schneider sobre o novo corte da taxa de juros que será decidido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) nesta quarta-feira (11).
Vendas cresceram 1%
Os licenciamentos somaram 199,4 mil veículos, ou seja, 1% a mais que em janeiro deste ano, quando foram emplacadas 197,5 mil unidades. A produção de automóveis e comerciais leves registrou expansão de 9,9% em fevereiro sobre janeiro. Foram fabricadas 191.766 unidades em fevereiro. Em janeiro, este número foi de 174.543 unidades.
Já o segmento de caminhões registrou queda de 0,9% de produção: passou de 7.566 unidades em janeiro para 7.499 em fevereiro.
Exportação sobe
Embora o quadro econômico mundial seja de crise, as exportações de veículos aumentaram 28,1% em fevereiro em relação a janeiro deste ano. Ao todo foram vendidos no mercado externo 27.958 veículos fabricados no Brasil. Somente de automóveis e comerciais leves foram vendidos 26.115 unidades.
Segundo análise de Schneider, tal aumento foi registrado porque o desempenho de janeiro foi baixo devido à sazonalidade do período. “Todos os mercados estão caindo de forma contundente, o que nos preocupa”, afirma o presidente da Anfavea.
As exportações em valores de veículos e máquinas agrícolas somaram US$ 538,8 milhões, o que representa crescimento de 27,1% sobre janeiro, quando foram exportados US$ 423,8 milhões.
Projeções
Como o período é de incertezas em relação ao comportamento dos mercados interno e externo, Jackson Schneider afirma que as projeções para este ano s´po serão estabelecidas após o fechamento do primeiro trimestre. “Não vamos apresentar as projeções porque as variáveis dificultam fazer disgnósticos. Entre elas estão as exportações e a circunstância do mercado interno. No início de abril faremos a projeção para este ano”, diz
Nível de emprego
O nível de emprego na indústria automobilística caiu 1,4% em fevereiro em relação a janeiro. No final do mês foram contabilizados 123.948 trabalhadores empregados diretamente pela indústria. Em janeiro, este número era de 125.734 pessoas. Na comparação com fevereiro de 2008 (122.415 trabalhadores), há crescimento de 1,3%.