Saiba como escolher uma oficina de reparação

Preço justo, bom atendimento e equipe qualificada são fundamentais.
Por mais que você cuide de seu automóvel, chega o momento de fazer um pequeno reparo no carro. Pode ser mecânico, elétrico ou funilaria. A dúvida que cerca a maioria dos motoristas nesse momento é onde levar. Como escolher uma boa oficina de reparação? São diversos fatores que contam.
A primeira necessidade é o preço justo, seguido por bom atendimento, gente qualificada e respeito ao prazo estipulado. Conseguir juntar todos esses itens em um único local parece ser uma missão impossível. Se você já possui seu mecânico de confiança, ótimo, você é um privilegiado.
Mas onde levar? Pode parecer complicado, mas não é um bicho assustador. O primeiro passo é conhecer o local, esse contato é fundamental. Observe tudo. Veja se a oficina tem uma recepção. Não precisa ser sofisticado, apenas um local reservado para atender os clientes. Nesse momento, sua percepção do atendimento vai lhe indicar dados importantes, como o grau de conhecimento dos funcionários. Ao explicar o defeito, um atendente que faz cara feia ou julgue o reparo muito complicado, já indica que ele quer valorizar o serviço, o que muitas vezes não é a realidade.
Veja também se todos os funcionários trabalham de uniforme. Se estiver muito sujo é mau sinal. Veja também se o local em geral é bem conservado, principalmente a limpeza e se é iluminado e organizado. São detalhes, mas eles revelam o modo que o dono da oficina encara as coisas.
Se você vai deixar o carro, mesmo que seja apenas para um orçamento, tudo tem de ser bem explicado e um prazo deve ser estipulado. Ao deixar seu carro, a oficina deve emitir uma ficha detalhando o estado do veículo, nível de combustível, os equipamentos e acessórios, quilometragem etc.
Uma boa oficina dispõe de capas para os bancos e também forra o volante com uma película de plástico. Tudo para proteger o interior de manchas indesejáveis, além de demonstrar cuidado. É bom evitar deixar objetos de valores no interior do veículo.
Conforme o tipo de conserto a oficina necessita de ferramentas adequadas. Se for uma funilaria, uma boa estufa ou cabine de pintura é essencial. Se for mecânica ou elétrica, é bom lembrar que os carros atuais dispõem de bastante eletrônica embarcada, o que também exige equipamentos modernos para se fazer uma correta verificação.
Entretanto, não basta ter equipamentos sofisticados se não tiver funcionários qualificados. Uma forma de saber o quanto eles foram treinados é procurar por diplomas nas paredes. Toda oficina faz questão de deixar em local visível os treinamentos que seus funcionários tiveram. E, na prática, isso faz muita diferença. Também é bom ficar atento a esses diplomas. Bons cursos são ministrados pelo Serviço Nacional da Indústria (Senai), pelo ASE, uma sigla que vem do inglês Automotive Service Excellence (Excelência nos Serviços Automotivos, em português). Essa instituição não tem fins lucrativos e organiza testes de conhecimentos que valem diplomas.
As oficinas também podem ser diplomadas pelo Instituo da Qualidade Automotiva (IQA) que fornece uma certificação baseando-se pela organização, equipamentos e ferramentas que as empresas dispõem. Também tem o Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi), mais focado nos serviços de funilaria. Além desses órgãos, os fabricantes de autopeças também oferecem treinamento nos mais variados setores e todos de extrema importância para atualização dos mecânicos.
Ao deixar o seu carro para o reparo, tenha certeza de não ter dúvidas em relação ao conserto. Uma vez que a oficina apresentar o orçamento, ele precisa ser detalhado e se tiver qualquer dúvida, um funcionário deve saná-las imediatamente. Lembre-se que nem sempre o mais em conta é o melhor. O melhor preço é o justo. Algumas oficinas podem lhe oferecer a opção de substituir ou não alguma peça que já esteja com sua vida útil quase no final.
Pode parecer que o mecânico quer que você gaste mais, mas deve ser visto como economia. Muitas vezes se quer aproveitar o custo de mão-de-obra e já fazer uma substituição, além de aproveitar o tempo que você vai ficar sem carro. Porém, você pode recusar e deixar esse serviço para depois. Essa opção é que demonstra o quanto a oficina é correta. É bom também prestar atenção nas peças a serem substituídas. Mesmo que você não conheça a marca que é melhor ou pior, faça questão de peças de qualidade.
Com o carro pronto a oficina deve lhe apresentar todas as peças trocadas e também emitir a nota fiscal com tudo discriminado, além de indicar o prazo de garantia do serviço. Com esses cuidados, certamente você vai evitar aborrecimentos na escolha de uma oficina. Vale ressaltar que, se gostar do serviço, do atendimento e da qualidade do trabalho, mantenha o estabelecimento na sua agenda de contatos, pois uma boa oficina você não encontra em qualquer esquina.