Dicas de manutenção de ar condicionado para carro

O ar-condicionado começou a ficar popular apenas na metade da década de 90, mas no Brasil não faz muito tempo que as pessoas começaram a contar em seus veículos com esse item de conforto.

Não é raro que se encontre um carro que conte com esse item, mas que o seu funcionamento não é satisfatório para o motorista. Um dos motivos para que o ar-condicionado passe a funcionar de maneira incorreta, é a não utilização dele por parte do condutor.

Aconselha-se que o ar-condicionado funcione em seu veículo pelo menos por dez minutos durante a semana. Com isso, o gás contido nele vai circular, fazendo com que seus componentes fiquem lubrificados. Assim, o seu conjunto pode exercer o funcionamento de maneira correta.

Geralmente, quando se vai ao mecânico especializado para a manutenção do ar-condicionado, o correto é que o atendente oriente ao condutor sobre esses períodos longos que o item não é utilizado.

Fazendo a carga do gás

Quando é feita a carga do gás que refrigera o sistema, é necessária a aplicação de vácuo. Isso faz com que se retire toda a umidade interna do conjunto, que tem o evaporador, tubulação, compressor, condensador, entre outros.

Outra dica é trocar o filtro secador, como maneira de prevenção de ter problemas com o ar-condicionado. Em caso de umidade ficar com resquícios no sistema, ela vai reagir com o lubrificante do sistema, fazendo com que se oxidem os componentes internos. É bom consultar sempre o manual de manutenção do carro, pois cada automóvel possui características diferentes com relação à sua carga.

Utilização de peças usadas

Não é incomum que peças usadas sejam utilizadas quando o sistema é reparado. Isso acontece muito quando o modelo do veículo é de luxo e teve uma batida frontal.  Peças como é caso do compressor, condensador e as tubulações frontais contam com preços muito altos quando novas o que, muitas vezes, torna incessível a sua compra. O mercado de peças paralelas e usadas é grande e, em diversos casos, é a alternativa mais viável. Porém, é bom verificar a sua procedência e observar, no caso das usadas, se estão em boas condições e limpas.

O compressor de seu ar-condicionado precisa, durante a manutenção,  de uma lubrificação. O lubrificante utilizado é específico. É necessário que se observe a compatibilidade do mesmo com o gás refrigerante para que não ocorra uma reação, fazendo com que a vida útil do sistema seja diminuída e a performance dele fique comprometida.

 

Tipos de gás refrigerante

Primeiros abordaremos o gás R12, que não é mais comercializado, pois houve um veto devido ao fato que sua composição ataca a camada de ozônio. Como boa parte dos automóveis fabricados na década de 90 faz o uso do mesmo, é necessário ter outra opção.

O R12 pode ser facilmente trocado pelo R134a, mas é necessário observar algumas regras. É importante, antes, fazer uma limpeza total do sistema, substituir o filtro secador (pois o mesmo conta com resquícios do antigo lubrificante), medir a pressão e temperatura do trabalho do sistema, medição da temperatura dos dutos de saída do painel, entre outros detalhes.

Ainda é bom falar sobre o filtro antipólen, que os carros mais antigos não contam como equipamento. Porém, pode-se encontrar modelos que se adaptam a esses veículos em algumas lojas especializadas. O filtro é importante, pois retém os ácaros, partículas nocivas à saúde e fuligem.

Deixe uma resposta