Carros cubanos: charme e nostalgia nas ruas do país

Quando se fala de carros, Cuba ficou parada no tempo. Olhar seus carros é como olhar para um passado que para nós, já nem existem muitos rastros mais. Isso acontece porque já há várias décadas as importações são proibidas ou restritas, o que leva carros americanos bem antigos das marcas  por exemplo, ainda estarem em circulação.

Manter esses carros conservados exige um pouco de esforço de seus proprietários. Precisam usar peças usadas de outros automóveis ou mesmo construí-las à sua própria maneira.

Acredita-se que o parque automobilístico cubano seja composto por 60 mil carros produzidos nos Estados Unidos no período de 1920 a 1950, juntamente com veículos da União Soviética dos anos 70 e outros veículos militares que foram adaptados para atender as necessidades.

Esses veículos hoje utilizados retratam a imagem do país. Em várias fotografias vemos que estão bem inseridos na vida das pessoas. Não são considerados velharias. São carros antigos em um país que parou nessa época. Podemos concordar que Cuba é um lugar interessante para conhecer, mas acredito que ninguém trocaria as inovações e o progresso para estar de volta ao passado.

Recentemente foi decretada uma lei que permitiria vender os veículos com qualquer data de fabricação, já que, antes, somente carros produzidos antes da revolução cubana (1959) poderiam ser vendidos. Importante destacar que até esse período Cuba era o maior importador de automóveis americanos, principalmente os de maior porte.

Com a liberdade de compra e venda esperava-se o país alcançasse um novo patamar, porém, com os preços elevados, houve certa dificuldade na venda dos carros. Em seis meses, a quantidade de veículos vendidos foi de 50 carros e 4 motos, um número irrisório para um país com 12 milhões de habitantes. A diferença entre os valores cobrados e os salários das pessoas é o que faz as vendas serem impossíveis. Enquanto o carro chega a custar US$ 262 mil, caso do Peugeot 4008, há pessoas que recebem menos de US$ 20 por mês.

Deixe uma resposta