Ferdinand Porsche, de empregado da Mercedes a fundador da Porsche

Ferdinand projetou um dos primeiros híbridos da história, trabalhou para a Mercedes, projetou o Fusca e fundou a Porsche.

A história da empresa Porsche começa em Bohemia, local onde nasceu o Engenheiro Industrial Ferdinand Porsche, no dia 3 de setembro de 1875, quando ainda esta região era chamada de Maffersdorf (Áustria). Ele era o terceiro filho de Anton Porsche e de sua esposa, Ana. Quando foi fabricado o primeiro automóvel, Ferdinand tinha apenas onze anos.

Quando criança, ele estava especialmente interessado em energia elétrica, tanto que, aos dezesseis anos, ele colocou iluminação elétrica na casa onde residia com os seus pais. Porsche sempre teve uma criatividade muito aguçada, e esta foi a sua principal característica ao longo da vida.

Desde a tenra infância, Ferdinand mostrou grandes habilidades e aptidão para a mecânica, conseguindo, aos 18 anos, uma recomendação para trabalhar na Bela Egger, empresa do setor elétrico que depois viria a se chamar Brown Boveri. Em Viena, iniciou os seus estudos no período noturno na Universidade Técnica, a única educação formal que recebeu durante a sua vida, enquanto trabalhava nesta empresa.

Por sua aptidão técnica e inteligência, Porsche foi logo alçado a posição de gerência nesta companhia, onde desenvolveria seus primeiros motores elétricos. Seu bom desempenho chamou a atenção da Jacob Lohner, empresa pertencente ao Exército Austro-Hungaro, onde, em 1901, o engenheiro Porsche desenvolveria o seu primeiro veículo com quatro rodas, o Lohner Porsche, um carro híbrido, fruto de sua grande experiência com eletricidade, mas levando em conta a praticidade do motor a combustão.

Começava aí sua carreira no setor automobilístico, que acabaria levando o jovem Ferdinand para a Austro-Daimler em 1906, que se tornaria a Mercedes-Benz, onde chefiou inúmeros projetos, inclusive alguns modelos com compressores para a Mercedes.

O Fusca e a II Guerra Mundial

Ferdinand Porsche tornou-se sócio do seu filho e fundou a Porsche em 1931. Com a eleição de Adolf Hitler em 1933, sua reputação de ser um dos maiores engenheiros da Alemanha fez com que o Reich os escolhesse para, juntos, desenvolverem o Volkswagen (carro do povo em alemão) no ano de 1934. O projeto acabou sendo adaptado para vários usos militares, não se tornando verdadeiramente popular.

Durante a II Guerra Mundial, Porsche acabou se vendo obrigado a desenvolver veículos para o Exército Alemão, onde se viu obrigado a projetar tanques de guerra e outros utilitários.

Seu projeto mais famoso só se tornaria popular após o fim daquela guerra, quando o veículo projetado por pai e filho começou a ser chamado de Besouro. Sua fácil e barata manutenção e custos de produção fez com que, rapidamente, o veículo fosse produzido em outros países, abrindo caminho para se tornar o carro mais famoso da história.

Pós-guerra

Por ter colaborado com o regime nazista, Porsche foi julgado por crimes de guerra em 1945, quando ele estava com 70 anos de idade. Foi absolvido e vai para Stuttgart administrar sua empresa onde, em 1948, constrói o Porsche 356, que alcançaria sucesso mundial como um pequeno esportivo de luxo, provando a genialidade de Ferdinand.

Ferdinand Porsche, no entanto, não veria a grande marca que se tornaria sua empresa. Faleceu em Stuttgart, em 1951, aos 75 anos de idade.

O Lohner-Porsche 1901, carro híbrido criado por Ferdinand Porsche (imagem de domínio público)

O KDF-Wagen (Kraft Durch Freude, que significa “Força pela Alegria”) de 1939, nome do qual Porsche não gostou. (cf. Beetleography – Volkspickup.nl)

O Porsche 356 (crédito da imagem: Wikipedia)

Ferdinand Porsche (imagem de domínio público)

Deixe uma resposta