Ford Mustang, ícone de velocidade

O Ford Mustang, lançado oficialmente 1964, completou no ano passado 50 anos de existência, constituindo-se num dos grandes nomes da fábrica de automóveis Ford. O carro teve seu primeiro protótipo apresentado no ano de 1962, tendo apenas dois lugares.

O modelo só chegou ao mercado no ano de 1964, durante feira de realizada nos Estados Unidos. E ainda bem que era diferente do protótipo, que parecia mais o carro dos Jetsons. Há controvérsias quanto ao número de gerações do Ford Mustang. A Edmunds cita nove, por exemplo, desconsiderando a última, de 2015. No entanto, seguiremos aqui as seis descritas na Wikipedia em inglês, que equivalem às mudanças de plataforma.

Primeira geração

Em sua primeira edição, o Ford Mustang foi disponibilizado ao público em 2 versões: conversível e coupé de 2 portas. Nada de especial nos motores, para a época: opções de V4, V6 e um V8 4.3, com muito da mecânica derivada de modelos consolidados, como Falcon e Fairlane.

As vendas esperadas eram de menos de 100.000 modelos para o primeiro ano, mas a Ford teve uma grata surpresa, alcançando essa marca em apenas 3 meses. Ainda em 1964, outras 318 mil unidades seriam vendidas, sendo o carro exibido no filme (inglês) 007: Goldfinger, em setembro. E as vendas chegariam à marca de 1 milhão apenas 18 meses após o lançamento. Estava criado o mito.

Um modelo tão popular precisava de um bom motor. E estes já começaram a ser disponibilizados em agosto de 1964, com o aumento para o 4.7 (289cu in). Mas é em 1968, ano em que o Eleanor foi lançado, que o famoso motor 302 cu in V8 (4.9) seria disponibilizado.

Segunda geração

Passado o sucesso inicial, o Mustang começou a ter quedas nas vendas, o que levou a Ford a realizar pequenas mudanças estéticas no modelo. Mudanças estas que não agradaram. Para piorar a situação, veio a crise do petróleo da década de 1970 e o mercado passou a demandar modelos menores, com melhor consumo de combustível. Desta forma, o Mustang de 1974 foi lançado com base na mecânica do subcompacto Ford Pinto.

O modelo não agradou. No seu primeiro ano, vendeu 100.000 unidades a menos que o Mustang original, de 1964. O desempenho era considerado fraco, piorado por um peso excessivo do modelo. Esta geração duraria apenas até 1978.

Terceira geração

Era 1979, ano de inflação alta e ainda sob o impacto da crise de petróleo nos EUA. Mesmo assim, o Mustang ganhou uma plataforma maior, baseada no Ford Fairmont, a plataforma Fox, que possibilitava que quatro adultos ocupassem o carro. O Mustang já ganhava design de linhas retas, que ficaria vigente nos anos de 1980. Mesmo com motores V8, as vendas voltaram a subir e se mantiveram boas por quase toda a década de 1980.

Essa geração passou por um facelift grande em 1987, perdendo a frente que ficou conhecida como “4 olhos” (ver foto abaixo, do Mustang 1989). A modificação veio em resposta a vendas declinantes, mas não agradou. Esta geração seria aposentada em 1993.

Quarta geração

Na quarta geração, de 1994, o Mustang volta às suas raízes esportivas. Ganhou um design mais “arredondado”, de acordo com o design vigente. Embora utilizasse a plataforma Fox atualizada, a Fox-4, o modelo ainda assim seria basicamente um dois lugares, com opções de motorização V6 e V8.

Esta geração ganharia um facelift em 1999, seguindo o estilo New Edge, então presente em modelos como Focus, Mondeo e, até mesmo, no Ka, veículo para o mercado europeu e terceiro mundo. São da quarta geração os primeiros Mustang importados para o Brasil.

Quinta geração

Em 2005, a Ford resolve dar um aspecto retrô para o modelo, com um design que lembra muito a primeira geração do Mustang, embora maior e mais reforçado. Sucesso instantâneo. O carro logo ganhou a adoração dos fãs, o que tornaria a quinta geração aquela de maior sucesso de vendas e público.

Apenas três anos após o lançamento, a maior crise financeira desde 1929 assombraria o mundo. Mas o Mustang grande e com motores potentes não sofreu, tanto que seria lançado, ainda em 2008, um V8 Supercharger Cobra Jet de 5.4 litros. E passada a crise, em 2012, viria o absurdo Shelby GT500 com um motor V8 Supercharger de 5.8 litros gerando 662HP. O Mustang, nesta geração, entrou para o rol dos superesportivos.

Sexta geração

Com o projeto do Mustang ficando velho, a quinta geração chega ao fim, sem nenhum grande facelift. É hora de atualizar o modelo. Em 2015 está chegando a sexta geração do Mustang, com novas cores, para deixar o modelo mais chamativo.

O design da quinta geração fez tanto sucesso que a sexta geração parece mais um facelift. No entanto, trata-se de uma plataforma atualizada, com carroceria mais larga e mais comprida, com uma suspensão retrabalhada para tornar a direção mais precisa.

Deixe uma resposta