Skip to main content
Home » No SóCarrão » Você no SóCarrão » “O retorno da azul calcinha”

“O retorno da azul calcinha”

#VOCÊNOSÓCARRÃO: SERGIO MODENA – CURITIBA/PR.

A história de Sérgio Julião Montilha Modena (25) é um pouco diferente das que você deve estar acostumado a ler por aí. O pai do nosso personagem (que por sinal tem o mesmo nome) tinha uma moto que era seu xodó, até que um dia teve que se desfazer para poder se casar. A “bolinha” foi embora, mas os anos se passaram e um dia ela voltou de forma inusitada. Confira o depoimento de hoje:

 

“O ano é de 1982, Sérgio Modena na época havia recém-completado 17 anos  e comprou sua primeira moto, uma CG 125 1982, vulga “bolinha”,  – último ano de fabricação desse modelo -. Essa moto permaneceu com ele até meados de 1987, quando ele, então, noivo com a casa construída,  vendeu a moto para comprar parte dos móveis da casa.

A família cresceu e durante todo esse tempo, eu filho, ouvia as brincadeiras entre parentes e amigos.  Em 2013, no início do mês de Junho, euestava na faculdade, naquelas aulas chatas que ninguém aguenta e resolvi pesquisar  CG 125 1982 azul calcinha e encontrei três motos nessas características, uma no estado do RS, uma em SP e outra em MG.

Entrei em contato com os três proprietários no dia seguinte e acabei fechando negócio por telefone com o dono da moto de SP que estava na cidade de Pederneiras, há 561km de Curitiba. Em uma sexta feira aluguei uma Saveiro e no sábado às 4 horas da manhã saí dizendo que iria trabalhar e fui em busca da moto.  Cheguei na cidade por volta de 12h30 e as 20:30 estava novamente em por aqui.

Não tinha ninguém em casa no momento, todos tinham ido para a igreja.  O único que não sabia da moto era meu pai, minha mãe e irmã já tinham conhecimento da “história”. Então fiquei rodando com o carro, deixando a hora passar e próximo ao horário de chegada deles, me aproximei de casa e fiquei aguardando em uma rua que dá de frente ao portão. Esperei eles entrarem e fui logo atrás.

Como eu moro em condomínio, o fluxo de carro entrando é constante.  Meu pai não percebeu e estacionou o carro, e eu estacionei um pouco antes dele esperando ele sair de dentro. Quando ele saiu fez a pergunta “de quem era aquela moto?”, eu curto e grosso respondi quem era de quem perguntava e joguei a chave para ele dizendo, “a azulzinha está de volta”.  Agora a moto está aguardando a restauração que será feita completa nos padrões originais de fábrica.”

SÉRGIO JULIÃO MONTILHA MODENA

CURITIBA/PR.

[easymedia-slider-two med=”26806″]

As fotos são do arquivo pessoal de Sergio Modena.

Mande você também a sua história para a gente: jornalista@socarrao.com.br. Participe!

Compartilhar