Skip to main content
Home » No Mundo » Hennessey Venom GT: por enquanto o mais rápido do mundo

Hennessey Venom GT: por enquanto o mais rápido do mundo

A empresa americana Hennessey desafiou as marcas esportivas mais conhecidas do mercado, como Lamborghini, Ferrari e Bugatti e criou o carro mais veloz do mundo atualmente, o Hennessey Venom GT. Em 2013 o Hennessey Venom GT bateu um recorde do Guinness alcançando 300 km/h em apenas 13 segundos. Este recorde é reconhecido e oficial. Só para comparar: um carro popular como o Chevrolet Celta 1.0 leva 13,8 segundos para alcançar 100 km/h.

Em fevereiro de 2014 o esportivo americano superou o Bugatti Veyron, um esportivo criado para ser o mais potente, complexo e veloz (a Bugatti já prometeu o Chiron, mais com 1.500cv, para este 2015). Mas este recorde em específico não foi oficialmente pelo Guinness. O registro dos recordistas deve ser feito de acordo com as exigências que são únicas para todos.

No caso, o veículo dever ser o mais veloz na ida e na volta, sendo estipulada a mesma distância percorrida a todos os participantes para que o vento não influêncie a favor ou contra. Não foi possível realizar a corrida nos dois sentidos, pois a disputa ocorreu numa pista da NASA que só permitiu a arrancada em um sentido da pista. Além disso, o número de unidades produzidas do Hennessey não é o suficiente para a categoria “de série”, pois seria necessário um mínimo de 30 unidades de veículos iguais a este. E o Hennessey chegará a apenas, exatamente, 29 exemplares.

Enquanto ele não entra para o Guinness Word Records como o carro mais veloz do mundo oficialmente, podemos apreciar seu modelo com motor 7.0L V8 Biturbo que “pegou emprestado” do motor 7.0 litros V8 do Corvette ZR1, de 1.240 cavalos. Mesmo pesado, com seus 1.244kg, o carro tem uma relação peso/potência próxima de 1 para 1. Ainda vem com sistema de som assinado por Steven Tyler, líder do Aerosmith, câmbio manual de seis marchas e 2 portas coupé ou roadster.

Para quem sonha em ter um exemplar deste na garagem será preciso correr para garantir o seu por conta dos poucos modelos fabricados além, claro, de desembolsar a bagatela de cerca de R$ 2,4 milhões.

Compartilhar