Números apontam queda na venda de carros novos e aumento nas de usados

No primeiro semestre deste ano, as vendas de veículos novos, como os comerciais leves, ônibus e caminhões, contaram com uma queda de 7,56%, em relação ao mesmo período relacionado ao ano de 2013. Na contramão disso, estamos vendo acontecer um aumento no comércio do segmento de usados, segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Os números dão conta que até o mês de maio deste ano, os negócios para carros seminovos e usados teve uma elevação de 5,47%, em comparação com os primeiros meses de 2013. Para o marcado de carros zero km, os números apontados no inicio do texto fazem que esse primeiro semestre de 2014 seja o pior dos últimos quatro anos no Brasil, de acordo com a Fenabrave. Ainda não foi divulgado dados das vendas do mercado de usados até o mês de junho deste ano.

Entre alguns fatores que as concessionárias apontam para a apresentação desses dados e a maior busca dos usados estão a linha de crédito que está mais escassa, a economia desaquecida e a renda do brasileiro que tem sido mais comprometida com outros assuntos.

No site da Fenabrave, o presidente da entidade, Flávio Meneghetti, explica que esse fato se deve, principalmente, no aumento dos preços que os modelos novos sofreram no começo do ano de 2014, quando aconteceu a elevação do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados). Ele também aponta que a inclusão nos carros dos freios ABS e do airbag, acarretou em um aumento do preço dos automóveis novos em aproximadamente 5%.

Para Flávio, muitas pessoas que estavam com a intenção de fazer a compra de um carro zero, mudaram de ideia e foram para o seminovo, conseguindo aí um modelo com um custo benefício melhor.

No dia 01 de janeiro de 2014, o aumento do IPI aconteceu para os carros zero, assim como passou a valer a inclusão obrigatória para os itens de freios ABS e airbag. O imposto teria uma nova redução desse desconto, ou então, a volta de sua alíquota normal em Julho, porém, os números ruins para o comércio no segmento fez com que o governo mantivesse o IPI como está até o final deste ano.

É bom relembrar que o IPI reduzido apareceu no mês de maio de 2012, momento em que também as vendas dos veículos novos estavam em baixa, com os estoques das montadoras e lojas cheios. Com essa medida, a indústria registrou recordes de vendas mensais e os carros usados contaram com uma desvalorização de até 20%, segundo a Fenabrave. Algumas revendas de automóveis seminovos e usados chegaram a fechar nesse período.

Atualmente, o IPI para veículos com motor 1.0 fica com uma alíquota de 3%, sendo a sua normal em 7%. Com o desconto menor e a inclusão dos dois itens obrigatórios, a Fenabrave aponta que a relação de vendas de carros novos e usados tende a retornar para o que era há dois anos: para cada carro novo vendido, três usados são comercializados.A Fenabrave acredita que a queda no número das vendas de comerciais leves e automóveis zero até o final deste ano possa chegar aos 7,75%.

Deixe uma resposta