Recall Toyota

Recall Toyota
23 de SETEMBRO de 2008
Empresa convoca proprietários dos modelos Hilux e Hilux SW4
A Toyota do Brasil convocou, em 23 de setembro, os proprietários dos veículos marca Hilux e Hilux SW4, fabricados entre janeiro de 2006 e maio de 2008, a contatarem a rede de concessionárias da marca para verificação e, se necessário substituição da porca superior de fixação do conjunto de articulação da barra estabilizadora da suspensão dianteira do veículo.

Modelo Séries do Chassi
Hilux 4×2 8AJCR32G060002871 até 8AJCR32GX80007966
Hilux 4×2 8AJER32G064005500 até 8AJER32GX84023473

Hilux 4×2 8AJEZ32G061001089 até 8AJEZ32GX81003984

Hilux 4×2 8AJEZ39G062503486 até 8AJEZ39GX82515471

Hilux 4×4 8AJFZ29G066016764 até 8AJFZ29GX86060936

Hilux 4×4 8AJFZ22G065001844 até 8AJFZ22GX85008660

Hilux 4×4 8AJFR22G064506594 até 8AJFR22GX84529125

Hilux 4×4 8AJDR22G064002313 até 8AJDR22GX84008395

Hilux SW4 4×4 8AJYZ59G063003217 até 8AJYZ59GX83027172

No comunicado, a empresa informa que a soltura espontânea da porca de fixação do conjunto de articulação da barra estabilizadora da suspensão dianteira do veículo, enquanto estiver em movimento, poderá ocasionar riscos à integridade física e segurança do consumidor. A Toyota do Brasil disponibiliza o telefone 0800 703 0206 e o site www.toyota.com.br para mais esclarecimentos.

A Fundação Procon-SP entende que por se tratar de possibilidade de acidente com risco à saúde e segurança dos usuários do veículo e de terceiros, o atendimento deve ser de imediato. Atenção: o recall envolve os modelos adquiridos da concessionária ou de pessoa física. Se o consumidor tiver qualquer dificuldade para efetuar o reparo/substituição, deve procurar um órgão de defesa do consumidor.

O Procon-SP orienta os consumidores sobre seus direitos e acompanha atentamente convocações desse tipo, como procedimento incorporado à sua dinâmica de trabalho. A empresa deverá apresentar os esclarecimentos que se fizerem necessários, conforme determina o Código de Defesa do Consumidor, inclusive com informações claras e precisas sobre os riscos para o consumidor.

O que diz a lei
O Código de Defesa do Consumidor, em seu artigo 10, estabelece que: “O fornecedor não poderá colocar no mercado de consumo produto ou serviço que sabe ou deveria saber apresentar alto grau de nocividade ou periculosidade à saúde ou segurança.

§ 1º O fornecedor de produtos e serviços que, posteriormente à sua introdução no mercado de consumo, tiver conhecimento da periculosidade que apresentem, deverá comunicar o fato imediatamente às autoridades competentes e aos consumidores, mediante anúncios publicitários”.

Outra questão importante, que deve ser observada pelos consumidores, refere-se à exigência do comprovante de que o serviço foi efetuado, documento que para sua segurança deverá ser conservado e repassado adiante, em caso de venda. Caso tenha sido comercializado mais de uma vez, o atual proprietário terá o mesmo direito ao reparo gratuito.

Os consumidores que já passaram por algum acidente causado pelo defeito apontado poderão solicitar, por meio do Judiciário, reparação por danos morais e patrimoniais, eventualmente sofridos.

Caso o consumidor encontre dificuldade em efetuar os devidos reparos (falta de peças, demora na conclusão dos serviços, etc.) poderá procurar ajuda – ou efetuar reclamação – da Fundação Procon-SP, que atende pessoalmente nos postos do Poupatempo (Sé – Pça. do Carmo, s/n; Santo Amaro – R. Amador Bueno, 176/258; ou Itaquera – ao lado do Metrô Itaquera), por carta (Caixa postal 3050 – CEP 01061-970 – SP-SP), por fax (0xx11. 3824-0717) e pelo telefone 151 (somente orientações) Para obter informações sobre reclamações contra fornecedores o telefone é o 0xx11. 3824-0446.

Fonte:
Procon-SP